Soft Skills X Hard Skills – O que empresas e hospitais de alta performance buscam!

Reading time: 8 minutes

Em nossos artigos do Blog buscamos transmitir conhecimentos técnicos e gerencias de alta qualidade para nossos leitores.

Você deve concordar comigo…

ter colaboradores cada vez mais preparados é parte essencial para se manter competitivo no mercado da saúde.

Atingir a alta performance, no entanto, significa treinar habilidades de naturezas distintas. São elas:

Hard Skills (habilidades técnicas) X Soft Skills (habilidades comportamentais)

Mas afinal, o que são, quais as diferenças e como melhorá-las?

Vamos detalhar um pouco mais agora!

Hard Skills na área da saúde

Hard Skills são habilidades tangíveis e fáceis de mensurar.

Mas como assim?

Tratam-se de competências técnicas adquiridas por meio de treinamentos formais e pela educação tradicional, como as graduações.

Para ficar mais claro, alguns exemplos:

  • Habilidades de um médico para realizar uma cirurgia.
  • O enfermeiro está pronto para auxiliar os procedimentos junto aos pacientes.
  • Aptidão do engenheiro clínico em utilizar um software de gestão do parque tecnológico.
  • Capacidade do técnico em realizar a calibração dos equipamentos médicos.

Resumindo…

Essas habilidades são os requisitos básicos para que você exerça determinada função dentro da sua empresa ou hospital.

O grande erro hoje é que os profissionais param por aqui!

Existem outras habilidades, tão ou até mais importantes, que são negligenciadas (as Soft Skills)…

e é exatamente disso que vamos falar agora!

Soft Skills na área da saúde

Soft Skills são habilidades e comportamentos subjetivos, difíceis de serem mensurados.

Mas então, por que elas são importantes?

Vou dar um exemplo para que a ideia fique mais clara:

Imagine um hospital que conta com um cirurgião tecnicamente impecável.

Ele é o médico mais capacitado para realizar as cirurgias mais complexas.

Porém, a cirurgia exige a participação e colaboração de vários profissionais, cada qual com sua função.

Apesar de toda competência, a cirurgia, que demora aproximadamente 12 horas, deixa o cirurgião completamente estressado e pressionado.

Isso faz com que ele se comporte de maneira ríspida e descontrolada com todos na sala de cirurgia, atrapalhando as atividades e colocando a vida do paciente em risco.

Percebeu que o cirurgião não apresenta Inteligência Emocional (uma Soft Skill), fundamental para o exercício da sua profissão?

A seguir vou falar um pouco mais sobre algumas Soft Skills e como trabalhá-las para se tornar um profissional mais completo.

1- Gestão do tempo

Já chegou ao final de um dia cheio de atividades e teve a impressão de que não fez nada que tinha que ter feito?
Provavelmente você não planejou, organizou e priorizou o tempo correto para cada uma delas.

Consequências da má gestão do tempo

  • Sensação de estar sempre “apagando incêndio”.
  • Constante retrabalho por esquecer o que foi feito com pressa.
  • Não cumprimento de prazos por falta de priorização de atividades.
  • Muito tempo gasto com atividades que não levam ao objetivo principal.
gestão do tempo

Passo para melhorar a gestão do tempo

  1. Pare de procastinar: tarefas importantes normalmente são as mais difíceis. Começar por elas pode não ser a maneira mais prazerosa, porém certamente é fundamental para atingir os resultados esperados.
  2. Priorize as atividades: antes de “abaixar a cabeça” e começar a fazer as atividades, pare e pense: Qual objetivo dessa atividade? Ela é a mais importante? Ela depende de outras pessoas? Após algumas simples perguntas você terá clareza de onde começar.
  3. Saiba dizer “não”: muitas pessoas tem dificuldade em dizer não para um chefe ou colega por ter medo da reação do outro. Dessa maneira, acaba ficando atolado de atividades e não consegue entregar todas as demandas.
  4. Delegue as atividades: o passo anterior não se resume em dizer “não” e pronto. Você deve propor uma solução para a pessoa e muitas vezes existe outro colaborador mais preparado para realizar tal atividade.

2- Inteligência emocional

Grandes cargos exigem grandes responsabilidades.

Assim como no exemplo do inicio desse artigo, vemos que as empresas exigem o máximo de seus colaboradores, o que leva a um grande stress.

Saber lidar com essas situações, além de se colocar na pele da outra pessoa é fundamental para ser um profissional equilibrado.

Consequências da falta de inteligência emocional

  • Indisposição com os colegas de trabalho.
  • Não conseguir lidar com situações desafiadoras.
  • Trazer problemas de fora para dentro do ambiente de trabalho e vice e versa.
inteligência emocional

Passos para melhorar a inteligência emocional

  1. Autocontrole: aprenda a tomar as rédeas de suas emoções nas mais extremas situações. Respirar fundo e contar até 10 antes de responder alguém pode evitar situações desagradáveis.
  2. Empatia: não faça com os outros o que não quer que façam com você. Ouça com atenção, demonstre interesse e elimine qualquer tipo de julgamento. Dessa maneira, você conseguirá melhorar sua relação com todos os colaboradores.
  3. Estar aberto a outras opiniões: muitas vezes acreditamos que nossa ideia é a melhor e nem sequer escutamos a opinião dos outros. Além de tornar a comunicação truculenta, a troca de experiências é fundamental para o crescimento de todos.
  4. Otimismo: ver as coisas com olhar positivo, comemorando cada conquista é importante parte de uma equipe que trabalha em conjunto.

3- Negociação

Durante seu dia, seja em casa, na rua ou no ambiente de trabalho você passa por diversas negociações. Trata-se da habilidade de chegar em um consenso entre partes a fim de que ambas estejam satisfeitas e não haja nenhum impasse.

Consequências da inabilidade de negociação

  • Você pode perder um cliente para o concorrente.
  • Prejuízos decorrente da má negociação com fornecedores.
  • Saída de bons colaboradores da empresa.
negociação

Passos para melhorar a negociação

Existe um livro chamado ” Negocie qualquer coisa com qualquer pessoa”, de Eduardo Ferraz, que explica exatamente como se preparar para qualquer tipo de negociação. Recomendo a leitura e abaixo vou enumerar os principais pontos que o livro apresenta:

  1. Saiba o estilo do negociador (competitivo, impaciente, perfeccionista…).
  2. Qual o principal motivo para a negociação (ganhar dinheiro, evitar perda, evitar incomodo, sentir prazer, reconhecimento…).
  3. Quais os trunfos para negociar (expertise, credibilidade, talento natural…).
  4. Tenha uma BATNA: alternativa única para fortalecer sua posição. Como exemplo, imagine que você vá negociar o aumento de salário com seu chefe. Seu BATNA pode ser uma proposta para trabalhar em outra empresa.
  5. Defina metas (faça a ancoragem entre o mínimo aceitável e o máximo desejável).
  6. Tenha uma estratégia de concessão.
  7. Crie vínculo (assim você saberá qual melhor estratégia utilizar).
  8. Faça perguntas.
  9. Apresente a proposta mostrando os benefícios de acordo com o tipo de negociador.
  10. Faça ajustes (seja descontos, formas de pagamento, garantia, comodidade…).
  11. Feche o acordo, sempre mostrando qual o próximo passo para a outra pessoa.

4- Comunicação eficaz

A comunicação e composta por 3 elementos: emissor, o canal e o receptor.

Durante seu dia você comunica com pessoas de outros setores que não entendem praticamente nada sobre o que você faz.

Dessa maneira, ter a capacidade de transmitir e receber diferentes informações para públicos distintos é fundamental para uma empresa eficiente.

Consequências da comunicação ineficiente

  • Falta de alinhamento de expectativas.
  • Não entendimento dos reais objetivos da empresa e dos colaboradores.
  • Dificuldade em passar informações relevantes para a equipe.
  • Diminuição da produtividade.
  • Atritos desnecessários pelo famoso “telefone sem fio”.
comunicação eficiente

Passos para melhorar a comunicação

  1. Escolha o melhor canal para cada situação ( pode ser por e-mail, telefone, mensagem ou até mesmo um bate papo presencial).
  2. Mente aberta para escutar e aceitar opiniões divergentes.
  3. Seja claro e objetivo.
  4. Ao final, pontue os principais temas abordados.
  5. Defina qual o próximo passo.

O que podemos concluir?

Há alguns anos atrás, dominar o inglês era um diferencial para alcançar uma vaga de destaque.

Hoje, trata-se de um pré-requisito básico.

O mesmo pode-se de dizer da maioria das Hard Skills, ou seja…

Essas habilidades já são esperadas que você domine.

Já as Soft Skills, por serem mais difíceis de desenvolver, são também mais valorizadas em ambientes competitivos como o setor da saúde.

Então vai uma dica…

Invista em seu desenvolvimento pessoal!

As habilidades adquiridas vão te ajudar não só em seu trabalho como em todas as situações da sua vida.

E você?Quais Soft Skills tem desenvolvido? Compartilhe conosco.

Não deixe de assinar a Newsletter da Arkmeds e ficar por dentro dos novos artigos que são lançados. 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *