Autoclaves: saiba o que são e quais os principais tipos existentes

Reading time: 2 minutes

Dentro das centrais de materiais esterilizados (CME) hospitalares, existe um equipamento de extrema importância, a autoclave. Ela tem como função a esterilização de materiais que são utilizados nos processos cirúrgicos. Através da utilização de calor úmido sob pressão, podemos garantir a eliminação dos micro-organismos contaminantes. O uso desse equipamento garante uma maior segurança tanto para os pacientes quanto para os funcionários que farão uso do material esterilizado.

Como funcionam as autoclaves?

A operação básica de funcionamento ocorre da seguinte maneira:

A carga deve ser preparada antes do carregamento da autoclave. Posteriormente ocorrem o pré vácuo (remoção do ar da câmara interna), o aquecimento (tempo necessário para que a autoclave atinja a temperatura e pressão programada) e a esterilização. O processo não acabou nesse ponto ainda: nas próximas fases teremos a secagem, onde ocorre a remoção dos vapores e a pressão interna é igualada a externa e a abertura da porta para que ocorra a redução da temperatura do pacote. O processo dura entre duas a quatro horas.

Tipos de autoclaves

Existem basicamente dois tipos de autoclave que são as de pré vácuo e as gravitacionais:

Autoclave de vácuo único: remove o ar de uma vez em um curto espaço de tempo. Nela pode ocorrer a formação de bolsas de ar.

Autoclave de vácuo fracionado: o ar é removido ao mesmo tempo em que ocorre a injeção fracionada de vapor. Como a remoção do ar não ocorre de forma rápida, probabilidade de formação de bolsas de ar é bem reduzida com relação ao primeiro tipo de autoclave.

Autoclave de alto vácuo : remove o ar com o auxílio de uma bomba de vácuo e introduz vapor na câmara interna sob alta pressão com o ambiente em vácuo. Devido a presença da alta capacidade de sucção de ar, ela é considerada uma das mais seguras.

Autoclave de gravitacional: o vapor é injetado forçando a saída do ar por gravidade. O ar contido no interior da câmara é mais frio que o vapor e, portanto mais denso. Assim, é possível eliminá-lo através de uma válvula localizada na superfície inferior. Como há a permanência de ar residual, ela não é muito recomendada para esterilização de materiais densos ou porosos. Outro problema advém da presença de umidade no final do processo o que contribui para uma limitação na fase de secagem.

Conclusão

O uso correto das autoclaves e a escolha da mais apropriada para o ambiente no qual ela funcionará, assegura a eliminação de contaminantes. Desta forma ocorre o aumento controle de infecções que é um problema enfrentado por diversos estabelecimentos de saúde.

Quer ficar por dentro dos próximos artigos a respeito das autoclaves e suas características?

Não deixe de assinar a Newsletter da Arkmeds e ficar por dentro dos novos artigos que são lançados. 

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *