Como a tecnologia influencia nas métricas de desempenho hospitalar?

Reading time: 3 minutes

Fazer a atualização do parque tecnológico pode ser o que faltava para melhorar a performance de um hospital. Hoje, a tecnologia está presente em todos os níveis das instituições de saúde, desde os equipamentos médicos avançados utilizados em exames e cirurgias até os robustos sistemas corporativos de gerenciamento.

Quem cuida da área de tecnologia em um hospital é o engenheiro clínico, um profissional que integra a TI com a área da saúde e é responsável pelos sistemas e equipamentos da instituição. E é também responsabilidade dele garantir que essas ferramentas causem impacto positivo nas métricas da casa de saúde.

Neste artigo, vamos discorrer um pouco sobre essas métricas de desempenho hospitalar e como a atualização do parque tecnológico pode influenciar na performance da instituição.

Como medir o sucesso de uma instituição de saúde?

Um hospital não é uma empresa comum. Mesmo se for uma empresa privada que precisa se sustentar com recursos próprios, a instituição de saúde tem uma missão muito mais nobre que o lucro: salvar vidas.

Portanto, enquanto em outros tipos de negócio os indicadores-chave de performance são avaliados como ferramentas para maximizar a produtividade — e, consequentemente, o retorno do capital investido —, em um hospital essas métricas simbolizam muito mais.

Não adianta nada ter um hospital lucrativo com taxa de mortalidade alta. E, ao mesmo tempo, é importante ter uma margem operacional que permita novos investimentos e a evolução da instituição.

Existem diversas métricas que podem ser mensuradas em um hospital, mas podemos dividi-las em três grandes grupos:

  • indicadores operacionais são medições, como a taxa de ocupação hospitalar, o tempo médio de internação e a satisfação dos pacientes. São as métricas que ajudam o gestor a entender a “capacidade produtiva” do hospital e para onde devem ir os investimentos;
  • indicadores clínicos são mensurações como o índice de infecção hospitalar e a taxa de mortalidade hospitalar. Estão diretamente relacionados a problemas que devem ser solucionados e ao desempenho efetivo da instituição em sua missão de salvar vidas;
  • indicadores financeiros são como os KPIs de qualquer empresa. Aqui entra o retorno sobre o capital investido, a margem operacional e outros similares.

Como a atualização do parque tecnológico pode impactar essas métricas?

Para operar em alta performance e conseguir indicadores positivos, é fundamental que o hospital invista em tecnologia recente. O engenheiro clínico é um profissional capaz de identificar os pontos vulneráveis da estrutura hospitalar que podem ser fortalecidos por novos equipamentos e softwares.

Ao avaliar as métricas, um engenheiro clínico poderia concluir que a taxa de ocupação alta demais está diretamente relacionada a um tempo de internação maior que a média.

Investir em um novo sistema de automação proporcionará mais agilidade à burocracia que um médico enfrenta para dar alta aos seus pacientes, liberando as vagas mais rapidamente, por exemplo.

E, se existe um índice de infecção hospitalar alto, talvez a solução seja adquirir equipamentos e produtos para esterilizar melhor as ferramentas de trabalho e os ambientes da instituição.

Identificar lições valiosas a partir dessas métricas e conseguir entender como a atualização do parque tecnológico pode impactar positivamente são parte do trabalho do engenheiro clínico, que faz essa integração entre saúde e TI no ambiente hospitalar.

Não deixe de assinar a Newsletter da Arkmeds e ficar por dentro dos novos artigos que são lançados. 

Tem alguma dúvida sobre meu artigo? Deixe um comentário e iremos te ajudar!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *